Angola Namibia Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A Gestão dos Recursos Hídricos
 Introdução
A Demanda de Água
Infra-estruturas de Água
O Valor da Água
 O Valor Económico da Água
 Custos Ambientais
 Custos Sociais
 Água Virtual
 Na Região da SADC
 Água Virtual na Bacia
 Água Virtual em Angola
Água Virtual na Namíbia
Monitorização dos Recursos
Investigação e Desenvolvimento
 Referências

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Água Virtual na Namíbia  

Numa base per capita e per annum, a Namíbia tem três vezes mais água do que França. No entanto, as taxas elevadas de evapotranspiração causam a salinização dos solos e reduzem a água do solo disponível para produção de cereais (Earle e Turton 2003). Assim, considera-se que a Namíbia é gravemente deficitária em água (Falkenmark 1989; WRI 2008).

Embora se considere elevada a produção de alimentos na Namíbia (sobretudo de raízes e tubérculos cultivados na agricultura de subsistência), o país importa quantidades substanciais de cereais bem como importantes quantidades de borracha e óleo vegetal. As grandes exportações de produtos agrícolas (e, consequentemente, de água virtual) incluem animais vivos (ovinos, caprinos e bovinos) bem como carne transformada e algodão, linho e fruta (Earle 2001 e dados do FAOSTAT).

Em 2007, a Namíbia exportou cerca de 2,9 mil milhões de m³ de água virtual sob a forma de animais vivos e carne, tendo importado 120,5 milhões de m³ sob a forma de cereais e cerca de 2,2 mil milhões de m³ sob a forma de borracha e óleo de palma (dados baseados em FAOSTAT, Hoekstra e Chapagain 2008).

Produtos Agrícolas Comercializados e Água Virtual (2002, 2007)

( clique para ampliar )

Fonte: Adaptado de FAOSTAT e Hoekstra & Chapagain 2008

Os cálculos do Ministério do Ambiente e Turismo da Namíbia são feitos de outra forma:

Valor das Importações de Água Virtual

A Namíbia importa, em média, 100 mil toneladas de cereais todos os anos para satisfação da procura. Se estes cereais fossem produzidos na Namíbia, seriam necessários 300 milhões de m³/a de água para irrigação. Portanto, pode considerar-se que isto representa importações de 300 milhões de m³/a de água pela Namíbia que, agora podem ser utilizados noutros sectores. Estes números são, evidentemente, meras estimativas e, como tal, esta noção de água virtual é muito ambígua. No entanto, calcula-se que os custos de fornecimento desta água para fins de irrigação na Namíbia seriam de cerca de N$0,55/m³. As importações de água virtual para a Namíbia valem, neste sentido, N$ 170 milhões.

Fonte: MET 2001, State of the Environment Report on Water

Um caso específico é a cerveja. As exportações totais de cerveja de cevada da Namíbia em 2007 foram de 11 852 toneladas (que correspondem a 3,4 milhões de m³ de água virtual pois a pegada de água para a cerveja de malte é de 290 m³ de água por tonelada de cerveja (Hoekstra e Chapagain 2008)). As exportações de cerveja para Angola representaram 20,81 % das exportações totais da Namíbia para Angola no período de 1997-2001, em termos do valor de comércio (Kahuika et al. 2003).

Bebidas à venda numa pequena loja.
Fonte: Kellner 2009
( clique para ampliar )

 

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Kunene


Entrevista sobre a gestão integrada e transfronteiriça da bacia do rio Kunene


Investigue as barragens e açudes na bacia do rio Kunene


Examine o comércio de água virtual e a pegada de água dos países da SADC


Explore como as barragens produzem energia hidroeléctrica