Angola Namibia Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A População e o Rio

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Ecoturismo  

No Baixo e Médio Kunene, a bacia incorpora vários parques nacionais, áreas de conservação comunitárias e florestas comunitárias existentes ou em formação, que oferecem atracções e serviços significativos para o ecoturismo dentro ou próximo das áreas protegidas. Criando oportunidades de emprego e complementando as fontes de rendimento da população local, o ecoturismo pode desempenhar um papel importante na diversificação dos meios de vida tradicionais.

A vida selvagem representa uma importante atracção turística na bacia do Kunene.
Fonte: © Ostby 2007 www.pgoimages.com
( clique para ampliar )

Definição

O ecoturismo é uma forma especial de turismo baseado na natureza, que é frequentemente promovida dentro e próximo das áreas oficialmente protegidas e outros tipos de áreas de conservação estabelecidas em terras comunitárias, particulares, ou arrendadas. O ecoturismo empenha-se por ser ambientalmente e culturalmente sensível, visando criar uma consciência ambiental dos turistas e membros das comunidades locais. O ecoturismo tem um potencial significativo para proporcionar meios de vida às populações locais.

Angola

Dotadas de muitas localizações cénicas, as áreas oficialmente protegidas de Angola (sob a forma de parques nacionais, áreas protegidas de caça e reservas florestais) ocupam perto de 7 % da área de superfície do país (MUA 2006), embora a maioria das áreas protegidas continue a sofrer a consequência do abandono resultante da prolongada guerra civil (1975-2002), existindo muito pouca a nenhuma infra-estrutura turística dentro e fora das áreas protegidas. Contudo, todas as áreas protegidas de Angola têm um potencial significativo para uma actividade turística futura.

Namíbia

A Namíbia tem uma rede diversificada e bem gerida de áreas protegidas, que cobre perto de 40 % da área de superfície do país, e que continua a crescer. Existem diferentes tipos de áreas protegidas legalmente reconhecidas e registadas, que no final de 2008 contribuíram da seguinte forma para a extensão do sistema global de conservação da natureza (NACSO 2009):

  • Áreas oficialmente protegidas (parques nacionais e reservas de caça) (16,6 % da área de superfície);
  • 53 áreas de conservação comunitárias registadas (15,7 % da área de superfície), com mais 23 em desenvolvimento;
  • Várias áreas de conservação de propriedade particular (isto é, agrupamentos de proprietários particulares que reuniram as suas terras e recursos de vida selvagem) (6,1 % da área de superfície);
  • 13 florestas comunitárias registadas (0,5% da área de superfície), com mais 38 florestas comunitárias em desenvolvimento (designadas no mapa abaixo de "áreas de conservação florestal");
  • Concessões turísticas gerindo 5 % de todo o terreno das áreas de conservação comunitárias registadas.

Em resultado destes desenvolvimentos e enorme investimento em infra-estruturas, o turismo baseado na vida selvagem e na natureza tem sido um dos sectores económicos da Namíbia a registar um dos crescimentos mais rápidos nos últimos anos, muito em parte devido ao ecoturismo. As diversas áreas de conservação comunitárias desempenham um papel especial, dado que são “zonas de utilização múltipla” com um estatuto legal em que os residentes continuam a dedicar-se à agricultura, mas gerem colectivamente os recursos naturais e a vida selvagem, de forma a beneficiarem de melhores receitas provenientes do turismo e recursos naturais (ERM 2009).

Métodos mais participativos no âmbito da gestão dos parques nacionais, incluindo a partilha dos ingressos dos parques com as comunidades locais e o envolvimento destas comunidades na operação e gestão de parques, contribuíram para tornar os parques em fontes de rendimento e meios de vida para as comunidades próximas.

Mais significativamente ainda, o turismo baseado na vida selvagem, em rápida expansão dentro de algumas das áreas de conservação comunitárias, trouxe consigo oportunidades consideráveis, novas ou melhoradas, em termos de meios de vida rurais complementares, em particular para os membros das áreas de conservação localizadas em zonas ricas em vida selvagem. Os rendimentos e meios de vida novos ou melhorados derivados das áreas de conservação comunitárias incluem, p. ex. (NACSO 2008):

  • Rendimentos monetários provenientes de caça de troféus;
  • Rendimentos de salários provenientes de empregos em lodges e parques de campismo de co-empreendimento;
  • Vendas de artesanato e produtos naturais a turistas;
  • Rendimentos não monetários, por exemplo, através de carne proveniente da caça de troféus e da caça para proveito próprio;
  • Donativos e serviços proporcionados por parceiros de co-empreendimentos de alojamento (lodges); e
  • Desenvolvimento das competências profissionais.

O mapa que se segue apresenta a distribuição das áreas protegidas na bacia do rio Kunene.

Áreas protegidas na bacia do rio Kunene.
Fonte: AHT GROUP AG 2010 adoptado de Atlas of Namibia Project 2002
( clique para ampliar )

Bacia do Rio Kunene

A bacia do rio Kunene inclui áreas oficialmente protegidas na parte namibiana e na parte angolana da bacia, bem como quatro áreas de conservação em terras comunitárias na parte namibiana do Baixo Kunene. Estas áreas são:

Áreas Oficialmente Protegidas no Baixo e Médio Kunene – Angola e Namíbia

  • Parque Nacional da Costa dos Esqueletos (SCP)– cobrindo uma estreita faixa costeira na “Kunene Region” (Região de Kunene) na Namíbia, que faz fronteira com o curso inferior do rio Kunene, a norte;
  • Parque Nacional do Iona – localizado na província angolana de Namibe, na extremidade sudoeste do país, confinante a sul com o curso inferior do Kunene e prosseguindo quase até às Quedas de Epupa;
  • Parque Nacional do Bicuar– localizado na secção intermédia da bacia, a sudoeste de Matala; e
  • Parque Nacional da Mupa– confinante ao rio Kunene na sua secção intermédia, a meia distância entre o açude do Calueque e o açude da Matala.

Estão a ser feitos esforços bilaterais no sentido de integrar o parque namibiano da Costa dos Esqueletos (SCP) e o parque angolano contíguo do Iona numa área de conservação transfronteiriça, envolvendo a foz do rio Kunene e partes da zona inferior da bacia do rio Kunene (Paterson 2007).

Áreas de Conservação Comunitárias no Baixo Kunene – Namíbia

Marienfluss

  • Localizada na Região de Kunene na Namíbia, fazendo fronteira com o SCP a oeste e com o rio Kunene a norte;
  • Possui paisagens cénicas remotas e importantes recursos de vida selvagem; e
  • Apresenta três co-empreendimentos turísticos, um parque de campismo, produção de artesanato para turistas e caça para proveito próprio.

Orupembe

  • Localizada na Região de Kunene na Namíbia, fazendo fronteira com a área de conservação de Marienfluss a sul;
  • Possui um acordo de co-empreendimento para observação de vida selvagem;
  • Oferece caça premiada, caça para proveito próprio e produção de artesanato.

Kunene River

  • Localizada na Região de Kunene na Namíbia, fazendo fronteira com o rio Kunene entre as Quedas de Epupa e o açude do Ruacaná;
  • Proporciona paisagens cénicas, bem como importantes recursos de vida selvagem; e
  • Possui um acordo de co-empreendimento com a Kunene River Lodge.

Uukolonkadhi / Ruacana

  • Localizada na Região de Omusati na Namíbia, fazendo fronteira com a área de conservação “Kunene River” a este e com a fronteira Namíbia-Angola a norte;
  • Proporciona importantes recursos de vida selvagem; e
  • Oferece um parque de campismo comunitário, rochas que produzem pó de ocre e caça para proveito próprio.

Nestas áreas de conservação existem significativas actividades e infra-estruturas turísticas, por exemplo, sob a forma de lodges e parques de campismo. Estes empreendimentos e actividas proporcionam meios de vida relacionados com a vida selvagem e o turismo, que complementam e diversificam os meios de vida tradicionalmente baseados na criação de gado (Long 2004).

Áreas de Conservação Comunitárias Planeadas

Outras infra-estruturas e actividades turísticas existentes (lodges, parques de campismo, etc.) nas Quedas de Epupa e Ruacaná (actualmente fora de qualquer área de conservação) poderão ser integradas em áreas de conservação em desenvolvimento. Estão a ser criadas outras duas áreas de conservação comunitárias – Okongwati e Otjitanda – na secção inferior da bacia do rio Kunene.

Florestas Comunitárias no Baixo Kunene – Namíbia

Floresta Comunitária de Uukolonkadhi / Ruacana

  • Localizada inteiramente dentro dos limites da área de conservação com o mesmo nome (ver acima); e
  • Proporciona concessões turísticas, apicultura, vendas de estacas e lenha para combustível como principais fontes de rendimento.

Além disso, a área de conservação de Marienfluss está em processo de ser registada como floresta comunitária.

 

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Kunene


Entrevista sobre a gestão integrada e transfronteiriça da bacia do rio Kunene


Veja o cronograma histórico dos países da bacia do rio Kunene, incluindo os acordos e infra-estruturas de água


Cenas de vídeo sobre os San na Província de Kunene e o seu acesso limitado à água