Angola Namibia Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A Bacia do Rio
 Introdução
Geografia
Clima e Tempo
 Princípios do Clima e Tempo
 O Clima na Bacia
 O Clima Regional
 Padrões de Clima na Bacia
Variabilidade Climática na Bacia
 Classificação Climática da Bacia
 Escassez de Água na Bacia
 A Seca na Bacia
 Recolha de Água da Chuva
 Mudanças Climáticas
Hidrologia
Qualidade da Água
Ecologia e Biodiversidade
Sub-bacias
 Referências

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Variabilidade Climática na Bacia  

A variabilidade espácio-temporal das condições climáticas é fundamental para as práticas agrícolas e a gestão de recursos naturais (Hartkamp et al.)Talvez igualmente importante seja a variabilidade da precipitação, particularmente no que diz respeito ao uso humano e às tentativas de gerir os recursos hídricos. Por exemplo, o conhecimento sobre a probabilidade de ocorrência de precipitação é crucial para o planeamento da gestão dos recursos hídricos (Mishra 1991) e para a produtividade agrícola. Além disso, tem um impacto significativo na segurança alimentar uma vez que a variabilidade climática resulta em elevados níveis de incerteza.

Áreas com precipitação previsível e consistente têm conseguido continuar com o desenvolvimento agrícola, sob condições estáveis de fornecimento de água. As regiões que sofrem de elevadas variações de precipitação estão sujeitas a iguais níveis de incerteza, o que significa que o desenvolvimento prossegue com grande risco de seca e/ou cheias.

Além do impacto directo na agricultura de sequeiro, a variabilidade climática exige um aumento da capacidade de armazenamento das barragens para permitir um fornecimento constante de água aos usuários. A região da África Austral está sujeita à radiação solar abundante. Assim sendo, a variabilidade inter-anual de precipitação torna-se o principal factor determinante para a produtividade das culturas (Lumsden e Schulze 2005).

Coeficiente de Variação

Um método para se determinar a variabilidade da precipitação é o cálculo do coeficiente de variação da precipitação (CV %). Este coeficiente é calculado como desvio padrão dividido pela média a fim de permitir comparações da variabilidade da precipitação (Commonwealth of Australia 2006). Schulze (2006) define o CV (%) como "uma medida relativa de dispersão, uma vez que facilita comparações relativas de variabilidade, na medida em que leva em conta a magnitude da média e é independente da unidade original da medida sendo expressa como uma percentagem".

No momento, não são disponíveis informações sobre o coeficiente de variação da precipitação na bacia.

Variação da Temperatura

A temperatura média anual em toda a bacia varia de 20 °C a 23 °C, com temperaturas médias que geralmente aumentam de montante a jusante do rio Kunene. Temperaturas particularmente altas podem ocorrer (acima de 40 °C) na estação quente, entre Setembro e Abril no Curso Inferior do rio Kunene.

A estação fria decorre desde o mês de Maio até Agosto com temperaturas médias de cerca de 17 a 19 °C. Em Junho e Julho – os meses mais frios – as temperaturas médias caem para cerca de 15 °C a 19 °C, com uma temperatura máxima de 28 °C, e uma mínima de 7 °C.

Temperaturas médias na bacia na estação quente.
Fonte: AHT GROUP AG 2010, adoptado de WorldClim 2009
( clique para ampliar )
Temperaturas médias na bacia na estação fria.
Fonte: AHT GROUP AG 2010, adoptado de WorldClim 2009
( clique para ampliar )

 

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Kunene


Entrevista sobre a gestão integrada e transfronteiriça da bacia do rio Kunene


Explore as interacções entre os organismos no meio aquático


Examine como o ciclo hidrológico faz a água circular