Angola Namibia Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A Bacia do Rio
 Introdução
Geografia
Clima e Tempo
Hidrologia
 Princípios da Hidrologia
 Hidrologia da África Austral
Hidrologia da Bacia
 Água Superficial na Bacia
 Água Subterrânea
 Interacções ASF/AST
 Cheias
 Balanço Hídrico
Qualidade da Água
Ecologia e Biodiversidade
Sub-bacias
 Referências

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Hidrologia da Bacia  

Os recursos hídricos do rio Kunene são substanciais, sendo este um rio perene com um caudal médio anual de 50 m³ por segundo na barragem do Gove, 160 m³ por segundo em Ruacaná, e cerca de 5,5 km³ por ano na foz do rio.

A hidrologia do rio Kunene é discutida em termos de

A bacia do rio Kunene é convencionalmente dividida em três sub-bacias: o Alto, Médio e Baixo Kunene (para mais informações sobre o assunto veja o capítulo sobre as Sub-bacias). Em termos gerais, o clima no curso superior e médio do Kunene pode ser classificado como clima de savana tropical húmido e seco, influenciado por altas altitudes, enquanto a secção inferior tem um clima semi-árido a árido com uma vegetação de estepe e desértica. A maior parte do escoamento é gerada pela água das chuvas de Outubro a Março nas terras altas de Angola no curso superior do Kunene, sendo o rio principal alimentado pela densa rede de afluentes. Nas terras altas, a precipitação é da ordem dos 1 300 mm/ano, a qual decresce continuamente até a uns meros 20 mm/ano na foz do rio.

O rio Kunene a jusante da barragem do Gove.
Fonte: Kellner 2010
( clique para ampliar )

Devido à variação do clima húmido nas terras altas do norte a árido na costa, entre 75 e 90 % do caudal do rio são gerados a norte de Matala no curso superior do Kunene. O caudal do rio Kunene é normalmente próximo de zero por volta do fim da estação seca, embora as barragens de armazenamento a montante (no Gove e na Matala) contribuam para a regulação do caudal.

A variabilidade inter-anual da precipitação é alta no Alto Kunene de modo que a variação nos volumes de caudal pode chegar até 14 vezes a mais entre anos de pouca e muita chuva (PJTC 2009), enquanto a variação mensal do caudal dentro de um dado ano pode chegar a 11 vezes de diferença entre altos caudais em Abril e baixos caudais em Outubro. O gráfico abaixo é um hidrograma que ilustra os caudais médios, máximos e mínimos do rio Kunene em Ruacaná, indicando uma alta variabilidade da média anual de precipitação. O gráfico mostra igualmente que os padrões médios do caudal estão mais próximos do mínimo registado do que ao máximo (DRWS 2001).

Uma discussão detalhada da monitorização hidrológica nas sub-bacias do rio pode ser consultada sob o tema Monitorização dos Recursos.

Caudais mensais (1933-1997) em Ruacaná.
Fonte: DRWS 2001
( clique para ampliar )

A alta variação inter-anual do escoamento superficial é ilustrada no gráfico abaixo. Os valores do escoamento médio anual conforme registado ou estimado para os anos de 1933/34 a 2000/2001 mostram períodos relativamente longos de seca.

Escoamento médio anual (MAR) em Ruacaná de 1933 a 2001.
Fonte: DRWS 2001
( clique para ampliar )

Pitman e Midgley (1974) classificaram as sub-bacias como sendo unidades individuais, baseadas em registos de escoamento recolhidos em estações hidrométricas no período 1961-1972. A maioria do escoamento médio anual é gerada na sub-bacia do Alto Kunene onde a precipitação média é de 1 300 mm/ano, contribuindo com 75 a 90 % do caudal total na bacia. A sub-bacia do Médio Kunene contribui com 10 a 25 % do escoamento total enquanto a contribuição dos afluentes efémeros no curso inferior do Kunene é normalmente inferior a 5 %.

Características Hidrológicas das Sub-bacias do Kunene

  Estacão hidrométrica Área (km²) Escoamento médio anual (MAR) (Mm³/ano) MAR (mm)
Alto Kunene Matala 27 950 4 884 167
Médio Kunene Ruacana 56 200 6 012 67
Baixo Kunene* - 24 400 - -

* A informação sobre o Baixo Kunene não está disponível uma vez que não existem estações hidrométricas a jusante de Ruacaná.

O desenvolvimento geomórfico e as diferenças climatológicas na bacia criaram um ambiente peculiar em termos de escoamento, produção de sedimentos, transporte e depósito.

O curso superior e médio do Kunene pertence a um antigo sistema de drenagem bem desenvolvido. O curso médio do Kunene é caracterizado por baixos gradientes, planícies inundadas anualmente e ambientes naturais de deposição. Em contraste, o curso inferior do Kunene é um rio novo, caracterizado por gradiente íngreme, rápidos e um canal controlado por uma estrutura de leito de rocha firme. Estas diferenças criaram dois sistemas distintos de distribuição de sedimentos: Na parte alta e média da bacia, material de grãos finos em suspensão domina em combinação com carga quimicamente dissolvida. No curso inferior, o leito do rio indica uma quantidade alta de carga sedimentar.

O rio Kunene é relativamente despoluído e a Qualidade da Água é considerada boa, com baixa concentração de fósforo bem como de outros nutrientes.

 

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Kunene


Entrevista sobre a gestão integrada e transfronteiriça da bacia do rio Kunene


Explore as interacções entre os organismos no meio aquático


Examine como o ciclo hidrológico faz a água circular