Angola Namibia Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A Bacia do Rio
 Introdução
Geografia
Clima e Tempo
Hidrologia
 Princípios da Hidrologia
 Ciclo Hidrológico
 Água Superficial
 Ordem dos Cursos de Água
 Lagos e Reservatórios
Cheias
 Água Subterrânea
 Interacções ASF/AST
 Balanço Hídrico
 Hidrologia da África Austral
 Hidrologia da Bacia
Qualidade da Água
Ecologia e Biodiversidade
Sub-bacias
 Referências

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Cheias  

Um evento de cheia é geralmente despoletada por fortes chuvas sobre a totalidade ou uma parte da bacia. Durante um evento de cheia, a água cai a um ritmo superior ao que o solo pode absorver, e o escoamento superficial entra nos cursos de água e rios aumentando o seu caudal, e envia uma injecção de água a jusante do rio. Se a chuva persiste, a quantidade de água que flui a jusante, continua a aumentar, finalmente excedendo a capacidade do leito do rio. Durante um evento de cheia, quando a água sobe no canal do rio até que ela extravase as margens e se espalhe ao longo da planície de inundação, o rio alcance a sua capacidade máxima. As águas de cheia muitas vezes retrocedem rapidamente à medida que a água é absorvida pela planície de inundação ou drena de volta ao canal do rio, enquanto as águas de cheia fluem em direcção abaixo.

Quedas de Epupa durante um evento de cheia.
Fonte: Stieglitz 2000

A variabilidade do fluxo, está sendo cada vez mais reconhecida como um factor importante para a saúde dos ecossistemas aquáticos ribeirinhos (Poff et al.). Cheias extremas, são importantes, porque muitos dos processos que dão forma ao rio, ocorrem durante os maiores cheias também conhecidas como eventos de reconfiguração. Períodos extremos de baixo caudal, são também importantes e podem afectar a selecção das espécies. Isto é particularmente verdade na África Austral, onde secas prolongadas e chuvas esparsas podem exercer pressão sobre espécies individuais e em ecossistemas inteiros. A variabilidade natural do fluxo (caudal) num sistema fluvial, incluindo os eventos extremos, faz parte do regime hidrológico, que cria e mantém um sistema fluvial saudável. As plantas e os animais de um sistema fluvial são geralmente adaptados ao regime hidrológico do curso de água ou do rio e os padrões de crescimento e de migração dos organismos são intimamente ligados à disponibilidade e qualidade da água.

Embora as cheias sejam sempre entendidas como um fenómeno que traz consigo impactos negativos, estas podem igualmente ter aspectos benéficos. As cheias são parte dos sistemas hidrológicos naturais, apoiando a função ecológica e renovação da paisagem. Trazem consigo nutrientes para o solo que, uma vez escoadas as águas de cheia, deixam para trás terras agrícolas mais produtivas. Para além disso, a inundação e a saturação do solo contribuem significativamente para a recarga das águas subterrâneas.

Risco de Cheias

O risco de cheias aumenta quando o nível de saturação do solo já é elevado devido a chuvas ou cheias anteriores, uma vez que o tempo necessário para atingir a saturação e escoamento superficial é reduzido. Portanto, a maior parte da água que cai em forma de precipitação contribui para as cheias em vez de ser absorvida pelo solo. Para mais informação sobre cheias na bacia do rio Kunene, por favor consulte a secção sobre Cheias no capítulo Hidrologia da Bacia.

 

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Kunene


Entrevista sobre a gestão integrada e transfronteiriça da bacia do rio Kunene


Explore as interacções entre os organismos no meio aquático


Examine como o ciclo hidrológico faz a água circular