Angola Namibia Sobre Como Usar Glossário Documentos Imagens Mapas Google Earth go
Favor fornecer feedback! Clique para detalhes
Home The River Basin People and the River Governance Resource Management
A Bacia do Rio
 Introdução
Geografia
Clima e Tempo
Hidrologia
Qualidade da Água
Ecologia e Biodiversidade
Sub-bacias
Alto Kunene
 Médio Kunene
 Baixo Kunene
 Referências

 



Feedback

send a comment

Feedback

 

Alto Kunene  

Geografia

As cabeceiras do rio Kunene localizam-se no cume das terras altas de Angola entre 1 700 e 2 000 m de altitude a este da cidade do Huambo. Orientada de este para oeste, a divisória norte de águas segue uma cintura geológica elevada (“the Lunda swell”). As águas que fluem a partir da divisória em direcção ao norte, drenam a bacia do rio Congo.

Sub-bacia: Alto Kunene.
Fonte: AHT GROUP AG 2010
( clique para ampliar )

O curso superior do rio Kunene é caracterizado por uma encosta íngreme nos primeiros 330 km até Matala (a uma altitude de 1 255 m) com um gradiente médio de cerca de 1:1 000. Apresentando várias corredeiras, o rio flui dentro de um canal de aproximadamente 100 m. O leito é de pedras e areia e o caudal rápido provoca pouco depósito de sedimentos no sistema do rio. O declive íngreme do leito nesta secção indica também que o fluxo é relativamente rápido em direcção á costa, deixando o rio quase seco no fim da estação seca. Esta secção do rio tem vários afluentes permanentes.

Clima

A Classificação Climática de Köppen para esta secção do rio é de clima “temperado com Invernos secos”, com uma temperatura média de 18°C e uma estação seca de 4 a 5 (de Maio a Setembro). Ao longo da divisória ocidental do curso superior, encontra-se uma escarpa que cai acentuadamente para oeste, formando uma barreira que impede a passagem de ar húmido do ocidente, dando origem a “chuvas de relevo” nesta parte nortenha da bacia. A média anual de precipitação ao longo do curso superior é de cerca de 1 300 mm (PJTC 1993), fornecendo mais de 75 % do volume do caudal do rio.

Hidrologia

A média anual do escoamento do rio Kunene é de 5,5 km³ na sua foz. Cerca de 40 % deste escoamento é gerado no curso superior do rio Kunene a montante de Jamba-ia-Mina; e na altura que alcança a região da Matala, o caudal do rio é de cerca de 75 % do caudal final na Costa Atlântica. O escoamento na sub-bacia diminui bruscamente de norte a sul como indica a tabela abaixo. Os dados das estações hidrométricas (registos de 1962 a 1972) mostram um escoamento estimado em cerca de 363 mm na barragem do Gove e uma diminuição para 167 mm na secção mais baixa do curso do rio Kunene na Matala (Pitman e Midgley 1974).

Área e Escoamento Médio Anual (MAR) a Longo Prazo para as Estações Hidrométricas no Alto Kunene entre o Período de 1961-1972

Estação hidrométrica Área (km²) MAR (Mm³/ano) MAR (mm)
Gove 4 900 1 777 363
Jamba-ia-oma 8 600 2 942 342
Jamba-ia-mina 11 800 3 622 307
Matala 29 300 4 884 167

Fonte: Pitman and Midgley 1974

Paisagem típica do curso superior da bacia do rio Kunene.
Fonte: Verelst 2005
( clique para ampliar )

Qualidade da Água

Em geral o rio Kunene é relativamente limpo e a qualidade da água é considerada boa, com uma baixa concentração de fósforo e outros nutrientes. Além disso, o curso superior do rio Kunene tem uma carga de sedimentos baixa.

Contudo, há preocupações relativas à deterioração da qualidade da água. A falta de qualquer estudo ao nível da bacia significa que se torna difícil fazer afirmações conclusivas a respeito da qualidade da água. A poluição em certas localidades parece ser o resultado do fraco saneamento e de esgotos não tratados de cidades e povoações ribeirinhas. A desflorestação, as queimadas descontroladas e o uso de técnicas agrícolas nocivas à conservação levam ao escoamento dos nutrientes e solos para o rio, deteriorando deste modo a qualidade da água. Os represamentos da água em grandes barragens ao longo do rio Kunene aumentam a temperatura, o que constitui um impacto negativo sobre o oxigénio dissolvido e para as concentrações de nutrientes.

Finalmente, as oportunidades para o desenvolvimento do sector da mineração e da indústria no sul de Angola têm um potencial significativo de causar danos aos cursos de água, incluindo o Kunene, através de descargas descontroladas.

Habitats e Biodiversidade

O curso superior do rio Kunene é caracterizado por florestas abertas e uma savana de arbustos. A intervenção humana é evidente em habitats ribeirinhos, mostrando sinais de desflorestação e a presença de espécies exóticas.

As espécies de árvore presentes incluem a aluka (isoberlinia angolensis), o miombo (brachystegia spp) e muchesa (julbernadia paniculata).

A nascente do rio Kunene.
Fonte: AHT GROUP AG 2010
( clique para ampliar )

 

 



Interactive

Explore as sub-bacias do rio Kunene


Entrevista sobre a gestão integrada e transfronteiriça da bacia do rio Kunene


Explore as interacções entre os organismos no meio aquático


Examine como o ciclo hidrológico faz a água circular